A Ficção Brasileira Pós-64: A política da memória e do apagamento da história em Quatro-olhos, de Renato Pompeu

  • Lizandro Carlos Calegari Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

O objetivo deste trabalho é refletir sobre a política da memória e do
apagamento da história em Quatro-olhos (1976), de Renato Pompeu. Pretende- se demonstrar que a elite dominante se vale de estratégias ideológicas para camuflar certos episódios históricos que se caracterizam pela violência e pelo autoritarismo. O esquecimento organizado propiciaria o controle social, já que não dessacralizaria as estruturas de poder arquitetadas pela classe dirigente. O romance de Pompeu, considerando-se essa linha de raciocínio, apresenta indícios que permitem verificar que a não rememoração de fatos agônicos pretéritos não é casual, mas condicionada por agentes políticos. As contribuições teóricas de Walter Benjamin são favoráveis aos argumentos que se pretende desenvolver nessa pesquisa.

Palavras-chave. Violência, memória, ficção brasileira pós-64, Renato
Pompeu.
Publicado
Aug 2, 2015
Como citar
CARLOS CALEGARI, Lizandro. A Ficção Brasileira Pós-64: A política da memória e do apagamento da história em Quatro-olhos, de Renato Pompeu. Babilónia - Revista Lusófona de Línguas, Culturas e Tradução, [S.l.], n. 13, aug. 2015. ISSN 1646-3730. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/babilonia/article/view/5162>. Acesso em: 28 mar. 2017.