Museus-Casas: Um Olhar Fenomenológico

  • Ana Zarco Câmara Professora adjunta da Universidade Federal Fluminense - Rio de Janeiro, Brasil Doutora em filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e estudo especialmente estética, filosofia da arte, ontologia, poéticas.

Resumo

Resumo

O objetivo da comunicação é elaborar, tendo em vista a espacialidade própria aos museus-casas, uma investigação de caráter fenomenológico. Tal caráter se desvela através da consideração de todo e qualquer objeto como dotado de uma infinidade de significações, que somente se delimitam no instante em que este entra em relação.  Nosso ponto de partida é a duplicidade do objeto “museu-casa”: enquanto objeto voltado para o habitante da casa e suas construções de sentido; e enquanto objeto voltado para o olhar e as expectativas do visitante da casa, daquele que perscruta a fronteira movediça e intangível, que separa e reúne tempos, espaços e significâncias tecidas pela relação casa-morador-visitante.

É sabida a impossibilidade de se reconstruir com fidelidade absoluta e inconteste a “aura” da casa de outros tempos, assim como sabe-se da atual tendência a afastar o objetivo do museu-casa de tais pretensões. A ausência dos moradores e o deslocamento espaço-temporal são alguns dos fatores que impedem um olhar direto à casa per se. Apesar deste distanciamento tomado da casa em sua dinâmica própria, há um fator considerado privilegiado quando se trata das relações entre os ambientes re-encenados e o visitante, por concernir ao próprio do museu-casa: a intimidade evocada. Aquilo que diferencia o museu-casa de outros  museus e que estimula, no visitante, uma receptividade peculiar, a saber, a curiosidade por conhecer, ainda que deslocados de seu espaço-tempo e movimento próprios, os espaços secretos de uma personagem histórica.  Ao contrário dos elementos revelados pelo habitante da casa, que pertencem ao âmbito do público e exposto, temos com o museu-casa, a oportunidade de acessar o universo íntimo do morador, recriando o dado, re-colorindo os ambientes. Sob este aspecto, a casa aberta à visitação se revela como plataforma propícia a um estetizar que faz dos objetos expressões, assim como faz do visitante artista ativo do espaço íntimo.

 

Palavras-chave: Fenomenologia, Espaço íntimo, Museu-casa, Estética

 

Abstract:

The goal of this paper is to prepare a phenomenological research, with a view to the spatiality of “historic house museums”. This character is revealed through the consideration that any object has a multitude of meanings that only if limited  at the moment that it enters into this relationship. Our starting point is the duplication of the object "historic house museums”: as an object to the inhabitant of the house and its constructions of meaning; and as an object facing the look and visitor expectation of the house, one who scrutinizes the shifting and intangible border that separates and unites time, space and significances woven by home-resident-visitor relationship.

It is known that it is impossible to reconstruct with absolute and unquestioned loyalty the "aura" of the house of former times. The absence of residents and the spatio-temporal displacement are some of the factors that prevent a direct look at the house per se. What differentiates the "historic house museums”of other museums and stimulates the visitor, a peculiar receptivity, namely the curiosity to know, although displaced from their space-time and move themselves, the secret spaces of a historical character. Unlike the elements revealed by the inhabitant of the house, which belong to the scope of the public and exposed, we have with the "historic house museums”, the opportunity to access the intimate universe of the inhabitant, recreating the data, re-coloring environments. In this regard, the house open to visitors is revealed as favorable platform to a aestheticize that makes objects expressions, as does the visitor active artist intimate space.

 

Keywords: Phenomenology, intimate space, "historic house museums”, Aesthetics

Publicado
Jun 26, 2016
Como citar
CÂMARA, Ana Zarco. Museus-Casas: Um Olhar Fenomenológico. Cadernos de Sociomuseologia, [S.l.], n. 8, june 2016. ISSN 1646-3714. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/5498>. Acesso em: 22 may 2017.