Patrimonialização: silêncios e escuta museológica

  • Sidélia S Teixeira

Resumo

Este artigo analisa a importância da integração entre patrimonialização e museologia para os processos de desenvolvimento social. Trata-se de discutir certas dimensões de uma pesquisa realizada na cidade de Salvador, Bahia, Brasil, nos Parques Metropolitanos do Abaeté e de São Bartolomeu. A patrimonialização é analisada na sua dimensão sociológica e antropológica, considerando-a como parte da construção da cidadania. Adotou-se como procedimentos metodológicos a pesquisa bibliográfica, arquivística, a observação etnográfica e a realização de entrevistas. Os resultados apontaram, por um lado, para uma patrimonialização oficial e incompleta, revelando tensões e dificuldades de diálogo entre os agentes institucionais e as comunidades locais. Por outro lado, a patrimonialização é fundamental, mas também, precisa corresponder às demandas museológicas dos grupos sociais envolvidos com o patrimônio preservado. Conclui-se ainda sobre a importância da formulação e desenvolvimento de políticas articuladas que viabilizem a integração entre patrimonialização e museologia como forma de estimular o desenvolvimento local.


Palavras-chave: patrimonialização, museologia, políticas públicas, desenvolvimento.

Publicado
May 30, 2017
Como citar
TEIXEIRA, Sidélia S. Patrimonialização: silêncios e escuta museológica. Cadernos de Sociomuseologia, [S.l.], v. 53, n. 9, may 2017. ISSN 1646-3714. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/5888>. Acesso em: 21 aug. 2017.