O silêncio das casas vazias

  • Sérgio Carneiro

Resumo

A violação não se ficou pelo património, a monstruosidade foi tal que roubaram-se os anéis, cortaram-se os dedos, pilharam-se as pulseiras, deceparam-se as mãos, surripiaram-se os torques e amputaram-se os braços, deixando apenas um corpo queimado e retorcido, «maciçamente» privado dos seus membros, como o tristemente célebre menino cujas imagens correram os noticiários de todo o mundo.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

##plugins.generic.usageStats.noStats##
Publicado
Jul 18, 2014
Como citar
CARNEIRO, Sérgio. O silêncio das casas vazias. Revista Lusófona de Ciência das Religiões, [S.l.], n. 3-4, july 2014. ISSN 2183-3737. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cienciareligioes/article/view/4621>. Acesso em: 21 may 2019.
Secção
Parte IV: In memoriam: O museu de Bagdade