Yoga 2.0 no Feminino

  • Paulo Hayes

Resumo

O estudo em perspetiva propõe subsídios que evidenciam a relação das práticas do yoga moderno com o desenvolvimento integral da mulher. As representações do yoga na modernidade, evidentes nas capas das revistas e nas redes sociais, são maioritariamente encabeçadas por mulheres de raça branca, flexíveis, da classe média-alta e com instrução superior. Tópicos sobre o feminismo, o corpo na sua relação com o sagrado e as práticas adotadas nos círculos de mulheres, incluindo técnicas de yoga, são referidos neste estudo. Acreditamos que o yoga pode contribuir para o empoderamento feminino, nomeadamente através dos benefícios que as práticas proporcionam ao corpo e mente. As entrevistas realizadas a feministas e praticantes de yoga, do mundo Lusófono, bem como a opinião de várias académicas e feministas do mundo Anglófono, reforçam a ideia do potencial do yoga como importante ferramenta na sustentação do movimento feminista.


Palavras-chave: yoga, feminismo, espiritualidade, empoderamento da mulher

##plugins.generic.usageStats.downloads##

##plugins.generic.usageStats.noStats##
Publicado
Feb 22, 2019
Como citar
HAYES, Paulo. Yoga 2.0 no Feminino. Revista Lusófona de Ciência das Religiões, [S.l.], v. 21, n. 1, p. 311-325, feb. 2019. ISSN 2183-3737. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cienciareligioes/article/view/6680>. Acesso em: 16 june 2019.