OS POLINÓMIOS

  • Artur Olímpio F. Gonçalves da Silva Departamento de Economia e Gestão, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

O presente artigo inicia-se evidenciando que os polinómios são entidades matemáticas de manuseamento muito fácil com aplicações práticas interessantes sendo, depois, feito o enquadramento dos polinómios no âmbito das expressões analíticas.
No que respeita à determinação dos zeros dos polinómios são referidas as 1ª e 2ª regras de Descartes, a regra de Budan, a regra do máximo, o corolário do Teorema de Rolle e as relações de Newton. Depois as regras referidas são aplicadas à determinação dos zeros de polinómios de coeficientes inteiros, sendo evidenciada a seguinte ordem: zeros inteiros, zeros fracionários e zeros irracionais.
Posteriormente é realçada a determinação de zeros de polinómios do 3º grau e, em notas finais, evidencia-se que, enquanto os polinómios dos 2º, 3º e 4º graus contemplam fórmulas resolventes genéricas que permitem expressar os seus zeros através de expressões racionais e de raízes de índice não superior ao grau do polinómio, o mesmo não sucede para polinómios de grau superior ao 4º sendo evidenciado que os méritos da demonstração desta realidade couberam a Niels Abel e a Evariste Galois.
Palavras-chave: Polinómios e Zeros de polinómios

Publicado
Sep 18, 2018
Como citar
DA SILVA, Artur Olímpio F. Gonçalves. OS POLINÓMIOS. Revista Lusófona de Economia e Gestão das Organizações, [S.l.], v. 1, n. 7, p. 89-115, sep. 2018. ISSN 2183-5845. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/r-lego/article/view/6457>. Acesso em: 13 nov. 2018.
Secção
Artigos