Federalismo e Democracia

  • Rogério Martins ULHT

Resumo

Se para caracterizar Países se usam índices mensuráveis, como a demografia e o PIB, a tendência a ordená-los em sequência de maior a menor é inevitável. Se se vier a basear apenas nesta espécie de dados o modo de definir os votos que lhes caibam em votações num Grupo de que todos sejam parte, é inescapável que qualquer Grande pesará sempre mais que qualquer Pequeno. Mas se a desproporção for grande, como acontece na Comunidade Europeia, o conjunto dos primeiros, se votarem unidos, poderá sempre ditar o resultado e inevitavelmente mandar nos segundos. Por muito disfarce semântico que se tente, a aritmética é o que é, e nesta hipótese é o que dá.
Publicado
Sep 5, 2011
Como citar
MARTINS, Rogério. Federalismo e Democracia. Res-Publica - Revista Lusófona de Ciência Política e Relações Internacionais, [S.l.], sep. 2011. ISSN 1646-3862. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/respublica/article/view/2423>. Acesso em: 29 mar. 2017.