Contribuição para o conceito dose-resposta em exposições a Infrasons e ruído de baixa frequência / Infrasound and low Frequency noise dose responses: Contributions

  • Mariana Alves-Pereira Erisa - Direcção de Radiologia , Departamento de Ciências da Saúde
  • Nuno A. A. Castelo Branco Centro de Performance Humana

Resumo

O espectro acústico é normalmente dividido em dois segmentos distintos: um referente às frequências audíveis e
outro às não audíveis. É também costume presumir que o fenómeno acústico só terá um efeito nocivo quando
percepcionado pelo aparelho auditivo. Em comparação, no espectro electromagnético (EM) existe também um
segmento passivel de ser percepcionado pelos sentidos humanos – a radiação visível (luz). No entanto, ao contrário
do espectro acústico, o espectro EM não é dicotomizado em frequências visíveis e não-visíveis, nem é feita a
suposição que apenas os fenómenos EM percepcionados pelo sistema ocular é que são nocivos. É esta a razão pela
qual foi possível estabelecerem-se relações de dose-resposta entre os diferentes tipos de radiação e os respectivos
efeitos biológicos. Uma abordagem semelhante deverá ser aplicada ao espectro acústico, para adequadamente
estudar as relações de dose-resposta para exposições aos infrasons e ruído de baixa frequência (IRBF, <500 Hz). Este
trabalho está fundamentado em informação recolhida ao longo de 28 anos de investigação biomédica dedicada aos
efeitos biológicos da exposição aos IRBF.Oobjectivo é o de contribuir para o estabelecimento das relações de doseresposta para este agente de doença, propondo uma segmentação mais detalhada do espectro acústico.

Abstract

The acoustical spectrum is usually divided into two major segments: that which can be heard by the human ear, and
that which cannot. Moreover, it is usually maintained that if acoustical phenomena do not hurt the ear, then they will
have no other bodily effects. In the electromagnetic (E&M) spectrum, there is also a segment capable of being
perceived by human senses: visible radiation (light). However, unlike the acoustical spectrum, theE&Mspectrum is
not crudely divided in what is visible to the human eye, and what is not, nor is it assumed thatE&Mphenomena only
cause bodily damage when they are seen. This is why it is possible to establish dose-responses for many different
types of radiation (visible or not).Asimilar stance regarding the acoustical spectrum is required if dose-responses to
infrasound & low frequency noise (ILFN, <500 Hz) are genuinely desired. This report focuses on information
gathered over the past 27 years of research into the biological effects of ILFN exposure, with the goal of contributing to the establishment of ILFN dose responses. Amore detailed segmentation of the acoustical spectrum is proposed in order to adequately characterize acoustical environments.
Como citar
ALVES-PEREIRA, Mariana; A. CASTELO BRANCO, Nuno A.. Contribuição para o conceito dose-resposta em exposições a Infrasons e ruído de baixa frequência / Infrasound and low Frequency noise dose responses: Contributions. Revista Lusófona de Ciências e Tecnologias da Saúde, [S.l.], n. 1, july 2009. ISSN 1646-3854. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/revistasaude/article/view/725>. Acesso em: 22 oct. 2017.
Edição
Secção
Ciências Biomédicas / Biomedical Sciences

Palavras-chave

infrasons; ruído de baixa frequência; espectro acústico; doença vibroacústica. / infrasound; low frequency noise; acoustical spectrum; vibroacoustic disease.