A “LUSÓFONA” É UMA UNIVERSIDADE PÓS-25 DE ABRIL 1974

  • Fernando Santos Neves Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

A “lusófona” é uma universidade pós-25 de Abril 1974 (em vários sentidos e com várias consequências). Numa periodização generalíssima das Universidades Portuguesas, às “épocas” já consagradas da “Universidade de Lisboa/Coimbra” (1ª época), das “Universidades de Lisboa ePorto (2ª época, implantação da República), das “Universidades Novas” (3ª época, anos 70 do século passado), o professor catedrático de Coimbra, doutor J. Gomes Canotilho, acrescentou a 4ª época das “Universidades Privadas” como “fruto histórico do 25 de Abril” (aquele “25 de Abril de 1974” que foi justamente e aliás previamente caracterizado por J. Medeiros Ferreira com os três “Dês” da “Descolonização”, da “Democratização” e do “Desenvolvimento”, a que eu mesmo tenho acrescentado vários outros “Dês” e, para o caso, o “D” capital da “Desanalfabetização” da sociedade portuguesa.
A “Lusófona” é e quer ser uma “Universidade Abrilista”, o que significa que não é nem do “24 de Abril” nem do “11 de Março” nem do “25 de Novembro” e, neste sentido, o seu hino, que é o belo poema de Fernando Pessoa: “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce...” também podia ser: “Grândola, Vila Morena...”, a emblemática canção de Zeca Afonso e do “25 de Abril de 1974”. E também por isso a “Lusófona” tem contribuído e continuará a contribuir como nenhuma outra para que ao Ensino Superior Privado deixem de ser associadas aquelas caraterísticas que, por inevitáveis circunstâncias históricas e por outras que podiam e deviam ter sido evitadas, lhe foram e por vezes lhe são ainda atribuídas, a saber, o de ser um coito de professores conotados com o “antigamente” e um ensino falho de seriedade científica e pedagógica (o que às vezes ambiguamente se traduz na expressão dos “cursos de papel e lápis”)...
Em ambos estes aspetos, tornou-se desde há muito público e notório o reconhecimento oficial e mais que tudo societal da “Lusófona” como universidade plenamente “democrática” (até já lhe chamaram uma “universidade socialista” e uma “universidade comunista”!) e como a universidade científica e pedagogicamente inovadora por antonomásia.
Como citar
SANTOS NEVES, Fernando. A “LUSÓFONA” É UMA UNIVERSIDADE PÓS-25 DE ABRIL 1974. Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias, [S.l.], n. 12, nov. 2009. ISSN 1646-4028. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rhumanidades/article/view/978>. Acesso em: 20 nov. 2017.
Secção
Apresentação