CORRENTES PERMANENTES EM ANÉIS MESOSCÓPICOS

  • Frederico Carvalho Dias Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

Resumo: Correntes permanentes em anéis mesoscópicos imersos num campo magnético constante foram pela primeira vez observadas experimentalmente em 1990, apresentando intensidades entre uma a duas ordens de grandeza superiores aos valores previstos teoricamente, uma discrepância que permanece por resolver. Neste trabalho apresenta-se um estudo em que se considera um modelo com uma impureza e interações repulsivas entre os eletrões do anel. Através da transformação de Jordan-Wigner obtém-se o hamiltoneano XXZ para cadeias de spin 1/2, com um defeito de troca e condições de fronteira “torcidas”. Utilizando o algoritmo do Grupo de Renormalização da Matriz Densidade (DMRG) estudamos os coeficientes de Fourier da corrente permanente e do respetivo peso de Drude em função da intensidade das interações e do tamanho do anel. Observamos que a amplitude da corrente permanente e o valor do peso de Drude são sempre diminuídos pelas interações.


Abstract: Persistent currents in mesoscopic rings pierced by a constant magnetic flux have been measured for the first time in 1990, displaying intensities one to two orders of magnitude higher than theoretically predicted values, a puzzle that remains to be solved. In this work we study a model with an impurity and repulsive interactions. Under a Jordan-Wigner transformation the model is equivalent to the XXZ spin-1/2 Hamiltonian with an exchange defect and twisted boundary conditions. We use the Density Matrix Renormalization Group (DMRG) algorithm to study the behavior of the Fourier coefficients of the persistent current and the respective Drude weight as a function of the interaction magnitude and ring size. We find that the interactions always suppress the current amplitude and the Drude weight.

Como citar
DIAS, Frederico Carvalho. CORRENTES PERMANENTES EM ANÉIS MESOSCÓPICOS. Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias, [S.l.], n. 12, nov. 2009. ISSN 1646-4028. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rhumanidades/article/view/997>. Acesso em: 11 dec. 2017.
Secção
Estudos e Ensaios