A autoavaliação na construção da escola democrática

  • Maria João de Carvalho Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Cristina Folgado Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Resumo

A autoavaliação pode assumir os valores democráticos da autonomia e do empowerment coletivo ou pode ser vista como instrumento de apoio à gestão ou um exercício de controlo de um Estado metarregulador. Nesta linha, pretendeu-se perscrutar a forma como os atores educativos participam no processo de auto-avaliação.Desenvolvemos um estudo qualitativo, inscrito no paradigma interpretativo da investigação, com recolha das ações discursivas de 16 docentes em sede de entrevista semiestruturada. Nesta vertente, tratou-se de um estudo naturalista, qualitativo e ideográfico. A análise e interpretação das representações dos participantes permitiu-nos apurar um processo de autoavaliação que, em larga medida, dispensa um debate alargado e participado, que não envolve significativamente a comunidade educativa, deixando cair o seu potencial gerador de mudança, face a uma perspetiva instrumental e instrumentalizadora que o mesmo adquire, razão pela qual, aventamos, não foi ainda encontrado o caminho de uma autoavaliação transformadora, construtora de conhecimento, percursora de desenvolvimento e de melhoria do sucesso educativo.


Palavras-chave: autoavaliação das escolas; escola democrática; participação

Publicado
Jun 1, 2017
Como citar
CARVALHO, Maria João de; FOLGADO, Cristina. A autoavaliação na construção da escola democrática. Revista Lusófona de Educação, [S.l.], v. 35, n. 35, june 2017. ISSN 1646-401X. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/5916>. Acesso em: 21 oct. 2017.