Reforma Cabanis (Circa 1800): uma reforma universitária sem universidades, esquecida na história da educação

  • Naomar Almeida-Filho Universidade Federal da Bahia

Resumo

Proponho designar como Reforma Cabanis o conjunto de políticas, normas e iniciativas de reforma do ensino médico que, após a Revolução Francesa, resultaram em modelos de ensino superior orientados ao profissionalismo, à disciplinaridade e à especialização. Neste ensaio, apresento a Reforma Cabanis em mais detalhe, avaliando contextos, estrutura e natureza de suas propostas, buscando compreender porque essa reforma universitária parece ter sido esquecida na história da educação. Na primeira parte, faço breve análise do processo de reestruturação do sistema de educação da França pós-revolucionária, destacando aspectos históricos e político-institucionais da contribuição de Cabanis. Na segunda parte, apresento os elementos principais dessa proposta de reorganização institucional e político-pedagógica do ensino médico que catalisou a criação de um novo modelo de educação superior, onde a universidade tem existência apenas nominal. Na parte conclusiva, indico que, ao instituir o ensino superior baseado em faculdades, profissões, disciplinas e especialidades, com exclusão do conceito de Universidade como formato secular de instituição de formação geral, a Reforma Cabanis configurou um modelo de educação que, orgânico ao capitalismo pós-colonial, tornou-se hegemônico no espaço cultural latino-americano.


Palavras-chave: Cabanis; revolução francesa; reforma universitária; educação superior

Publicado
Jun 19, 2018
Como citar
ALMEIDA-FILHO, Naomar. Reforma Cabanis (Circa 1800): uma reforma universitária sem universidades, esquecida na história da educação. Revista Lusófona de Educação, [S.l.], v. 39, n. 39, june 2018. ISSN 1646-401X. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/6378>. Acesso em: 18 july 2018.