A SOBREDOTAÇÃO E O GÉNIO

  • Sara Ibérico Nogueira Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

Se “de médico e de louco todos temos um pouco”, de psicólogo, todos temos…até demais! e pensar a sobredotação gera, na maioria das vezes, a convicção numa definição inquestionável, por tão clara e intuitiva ela se nos afigurar.
(Re) pensar a sobredotação, esperamos, que nos obrigue a reflectir e a (re) definir os contornos de um conceito por demais banalizado. Reconhecemos, contudo, que na válida tentativa de obtenção de uma definição conceptual, nem sempre o escudo seguro da idoneidade dos diversos especialistas (escolares, clínicos ou desenvolvimentistas) nos deixa tranquilos, porquanto nova profusão de conceitos emerge sem que claramente existam respostas definitivas e securizantes. Mas este é, afinal, o caminho de qualquer ciência!

Como citar
NOGUEIRA, Sara Ibérico. A SOBREDOTAÇÃO E O GÉNIO. Revista Lusófona de Ciências da Mente e do Comportamento, [S.l.], v. 1, n. 1, nov. 2009. ISSN 1646-5245. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rlmente/article/view/963>. Acesso em: 13 dec. 2017.
Secção
Secção Temática