Ludologia (jogo #1/nível #2). em torno da fenomenologia do jogo cerimonial: do lúdico à categoria operatória do sagrado

  • Luí­s Filipe B. Texeira ULHT

Resumo

O objectivo deste artigo é apresentar a distinção fundamental entre os conceitos de «jogo» e de «sagrado» no quadro de uma fenomenologia da cultura e da comunicação. Trata-se de analisar de que modo o jogo e, em particular, a categoria do «lúdico» se relaciona com o conceito de sagrado, partindo do plano do «jogo cerimonial» entre ritos e mitos, tal como se representam nas sociedades arcaicas. Partimos do quadro romântico do século XIX e da noção schellinguiana de Mitologia, passando pela noção de «imersão» no écran que os jogos permitem e da distinção entre «jogo», «sagrado» e «festa», até à análise da estrutura da categoria de sagrado tal como foi desenvolvida por Rudolf Otto e do conceito de «Unheimlich». No parágrafo final mostramos como é diferente o que se passa com essas «máquinas alegóricas» que nos colocam face a Masmorras e Dragões e no centro de um «parque de diversões ontológicas».
Como citar
TEXEIRA, Luí­s Filipe B.. Ludologia (jogo #1/nível #2). em torno da fenomenologia do jogo cerimonial: do lúdico à categoria operatória do sagrado. Caleidoscópio: Revista de Comunicação e Cultura, [S.l.], n. 4, july 2011. ISSN 1645-2585. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/caleidoscopio/article/view/2231>. Acesso em: 17 oct. 2019.
Edição
Secção
Artigos