“Devoured by wild animals”. Trauma and post-traumatic stress in the children of São Tomé

  • Norman Simms

Resumo

Fugindo para Portugal, em 1492, para escaparem às conversões forçadas em Castela, os mais pobres e provavelmente os mais devotos Sefarditas foram confrontados com a inevitabilidade de pagaram um imposto à Coroa portuguesa. Esses judeus e os seus filhos viviam, na realidade, como escravos do rei de Portugal. O monarca passou aos capitães de São Tomé dois milhares de crianças destas escravizadas famílias, enviadas para uma nova colonização na ilha de S. Tomé. Muitos deles morreram no caminho ou nos primeiros meses, supostamente, devorados por animais selvagens, pois existiriam crocodilos e serpentes negras gigantes. Ficaram marcadas traumaticamente ao longo de gerações, pelo menos até ao século XVI, quando muitos dos descendentes seguiram para o Brasil, para a indústria nascente do açúcar. Alguns dos descendentes, em terceira ou quarta geração, destes acontecimentos traumáticos de 1493 pareceterem regressado ao Judaísmo aquando do domínio holandês no Recife. Este ensaio examina as evidências de um continuado e forte trauma, assim como os diferentesníveis de uma possível memória do Judaísmo que terão vivido ainda em crianças.
Publicado
Nov 21, 2013
Como citar
SIMMS, Norman. “Devoured by wild animals”. Trauma and post-traumatic stress in the children of São Tomé. Revista Lusófona de Ciência das Religiões, [S.l.], n. 9-10, nov. 2013. ISSN 2183-3737. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cienciareligioes/article/view/4087>. Acesso em: 14 oct. 2019.