O Oriente (tão) Próximo O Substrato Levantino da Cultura Imaterial do Estuário do Tejo

  • Luís Mata

Resumo

O trabalho que seguidamente se desenvolve assume-se como uma leitura (inferencial e disputável) da ocupação do estuário do Tejo. A proposta que apresento pretende abalizar: a) o contributo que emprestaram algumas das línguas semitas ocidentais mais antigas (fenício, púnico, hebraico e siríaco) aos étimos regionais; b) a influência do orientalismo sidérico na alteração dos quadros mental, cultural e religioso dos sítios de habitat. De modo a construir um modelo interpretativo verosímil, argumentado e coerente (apesar de conscientemente controverso), servir-me-ei dos diversos contributos que, há mais de um século, os diferentes cientistas sociais têm dado à bibliografia local. Também lançarei mão dos mais recentes progressos feitos nos campos da arqueologia sidérica e da filologia oriental.


Palavras-chave: Religião; Orientalismo, Toponímia; Santarém; Vale do Tejo

##plugins.generic.usageStats.downloads##

##plugins.generic.usageStats.noStats##
Publicado
Feb 22, 2019
Como citar
MATA, Luís. O Oriente (tão) Próximo O Substrato Levantino da Cultura Imaterial do Estuário do Tejo. Revista Lusófona de Ciência das Religiões, [S.l.], v. 21, n. 1, p. 145-188, feb. 2019. ISSN 2183-3737. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cienciareligioes/article/view/6672>. Acesso em: 15 sep. 2019.