Avaliação dos Padrões de Dose em Radiologia Pediátrica na Radiografia simples do Abdómen

  • Alessandra Pereira Direcçao de Radiologia - Escola Supeior de Saúde Ribeiro Sanches
  • Ana Duarte Direcçao de Radiologia - Escola Supeior de Saúde Ribeiro Sanches
  • Nuno Matela Direcçao de Radiologia - Escola Supeior de Saúde Ribeiro Sanches
  • Paulo Pereira Direcçao de Radiologia - Escola Supeior de Saúde Ribeiro Sanches
Palavras-chave: Pediatria, Radiografia, Abdómen, Dose à entrada da pele, Dose efectiva, Sistema convencional e digital.

Resumo

Aradiossensibilidade de crianças, muito superior à dos adultos, aliada à elevada utilização de exames radiológicos, justifica a preocupação com as doses à entrada da pele (DEP) e doses efectivas (DEF) durante exames radiológicos pediátricos. Neste trabalho quantificou-se a DEP e a DEF em sistemas convencionais e digitais em exames abdominais em crianças dos 0-15 anos, comparando os parâmetros físicos utilizados com os estipulados pelos critérios de boas práticas. Em 35 exames, verificou-se uma diferença estatisticamente significativa (p=0.025) entre DEP convencional (522.78 μGy) e digital (35.29 μGy), o que não ocorreu com a DEF (48.89 vs. 41.35 μGy). Os valores de DEPemsistema convencional ultrapassavam os de referência para os grupos etários de 1-4 (477.5 vs. 400 μGy) e 15 anos (2260 vs. 1200 μGy).Amaior parte dos critérios de boas práticas estavam em conformidade com os critérios internacionais, excepto a utilização de filtragem (superior ao recomendado), a utilização inadequada de grelha e a utilização (não recomendada) de controlo automático de exposição em crianças com idade inferior a 5 anos.
Edição
Secção
Ciências Biomédicas / Biomedical Sciences