Utilização de Antibióticos numa amostra da população de Lisboa

  • Carla Monteiro ERISA
  • Ana Fontes ERISA - Escola Superior de Saúde Ribeiro Sanches
  • Rita Matos ERISA - Escola Superior de Saúde Ribeiro Sanches
  • Paulo Pereira ERISA - Escola Superior de Saúde Ribeiro Sanches
  • Ana Isabel Rodrigues INETI. I.P
  • Maria do Céu Costa ERISA / INETI. I.P
Palavras-chave: Motivação, Controlo de infecção, Neonatologia, Unidade de Cuidados Intensivos, Enfermeiros

Resumo

O objectivo do presente estudo foi o de avaliar o nível de conhecimentos sobre a utilização correcta de antibióticos por parte de uma amostra da população de Lisboa, e quais as variáveis que influenciam a sua utilização. Estudo transversal, de base populacional, de 500 indivíduos (424 respostas válidas) com idade igual ou superior a 18 anos, na região de Lisboa, entrevistados sobre a utilização de antibióticos. A frequência de utilização de antibiótico para tratar uma infecção foi de 94,3% contra 4,7% da amostra de respondentes que nunca recorreu à utilização de antibiótico para curar uma infecção, salientando-se que 10,1% dos indivíduos referiram a utilização de Clamoxil. Inquiridos sobre a prescrição do antibiótico, 88,0% dos indivíduos responderam que quem aconselhou a tomar foi o médico de família, tendo 85,8% dos indivíduos feito o tratamento durante o tempo indicado. De todos os respondentes, 81,4% tomaram o medicamento no horário correcto. Dos inquéritos válidos, 69,3% dos indivíduos revelaram já terem praticado auto-medicação independentemente de a mesma ter sido praticada uma ou mais vezes ou recentemente ou mesmo no passado, contra 29,2% que nunca praticou. Poude concluir-se que a maioria da amostra da população de Lisboa estudada possuia conhecimentos teóricos correctos sobre a utilização adequada de antibióticos, em contradição com a atitude de 69,3% dos mesmos inquiridos que revelaram ter já feito auto-medicação. Os valores percentuais observados relativamente ao desvio do padrão de conhecimentos correctos, reflectem a necessidade de se implementar programas específicos de intervenção educacional sobre a utilização racional de antibióticos para grupos de risco.
Edição
Secção
Saúde e Sociedade / Health and Society