A arquitectura bioclimática mediterrânica: um equilíbrio entre duas estações

  • Pedro Faria Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

Resumo:

A particularidade do clima mediterrânico traduz-se num Inverno frio, embora não muito rigoroso e num Verão muito quente mas relativamente curto. As habitações têm por norma serem concebidas face aos climas predominantes, sendo nos casos mediterrânicos obrigadas a satisfazer simultaneamente as necessidades de Inverno e de Verão. A Arquitectura Bioclimática só adquire significado conhecendo-se plenamente o clima em questão; deste modo, há que encontrar um equilíbrio entre as amplitudes térmicas. É neste equilíbrio/consenso que se definem os princípios bioclimáticos, nas boas e más opções de concepção e construção, nas cedências e aquisições de energia para que se atinja uma temperatura confortável e qualidade do ar interior na habitação. Estas questões não se relacionam primariamente com a Ecologia, mas com a eficiência energética e a habitabilidade dos edifícios de modo a promover o bem-estar da pessoa.

 

palavras-chave: arquitectura bioclimática; clima mediterrânico; eficiência energética.

 

Abstract:

The Mediterranean climate issue means that there’s a cold, however not very strict, winter and a very hot, but short, summer. All houses are planned according to its climates demands, being on this particularly Mediterranean case, obliged to fulfill both winter and summer. Bioclimatic Architecture only makes sense knowing well the local environment; therefore a balance within warm and cold periods is a requirement. This balance defines the good Bioclimatic Architecture with its good or bad choices, giving or acquiring energy, to obtain the right comfortable temperature and inside quality air. Nothing of this is directly involved with Ecology, but with citizen well being in its own home.

 

keywords: bioclimatic architecture; mediterranean climate; energy efficiency.

Biografia Autor

Pedro Faria, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Pedro M. Faria / Arquitecto pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa; Mestre em Urbanismo pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias; Professor Assistente Estagiário do Mestrado Integrado em Arquitectura da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Edição
Secção
Construction and Sustainability