Hipertiroidismo felino: Abordagem diagnóstica e terapêutica na região da grande Lisboa

  • Sofia Cunha Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Campo Grande, 376, 1749 - 024 Lisboa
  • João Filipe Requicha Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Campo Grande, 376, 1749 - 024 Lisboa
  • Joana Tavares de Oliveira Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Campo Grande, 376, 1749 - 024 Lisboa

Resumo

O hipertiroidismo é agora a doença endócrina mais comum no gato. O motivo pelo aumento anual do número de casos desta doença deverá prender-se com um Maior disponibilidade e utilização correcta dos meios complementares que permitem emitir um diagnóstico definitivo, mas também com o aumento de exposição da população de gatos aos factores predisponentes. Assim, este trabalho, utilizando uma base de dados proveniente de um CAMV na região da Grande Lisboa e um inquérito realizado a 31 Médicos Veterinários (MVs) que exercem a sua prática clínica nesta região do país, visou compreender melhor a abordagem global ao problema. Concluiu-se que, nesta região, a sintomatologia e a idade dos gatos são os principais motivos que levam à suspeita de hipertiroidismo felino e que levam à realização frequente de medições da concentração sérica de T4. No entanto, após um diagnóstico definitivo de hipertiroidismo, a maioria dos MVs não recomenda um tratamento curativo, como por exemplo o iodo radioactivo, o qual é desconhecido da maioria dos profissionais inquiridos, ou a tiroidectomia, mas sim uma abordagem terapêutica visando controlar a doença sem no entanto impedir a sua progressão como sendo o metimazol ou as dietas de prescrição.

Biografias Autor

Sofia Cunha, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Campo Grande, 376, 1749 - 024 Lisboa
João Filipe Requicha, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Campo Grande, 376, 1749 - 024 Lisboa
Joana Tavares de Oliveira, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Campo Grande, 376, 1749 - 024 Lisboa
Publicado
2015-04-01
Edição
Secção
Artigos Originais