CARTA DE ATENAS

  • Carta de Atenas Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

Conclusões da conferência, 1931

A Conferência ouviu a exposição dos princípios gerais e das doutrinas respeitantes à protecção dos Monumentos.

Apesar da diversidade dos casos específicos em que poderá haver uma solução para cada tipo, constatou-se que nos diferentes Estados representados predomina uma tendência geral para abandonar as restituições integrais e para evitar os riscos pelo estabelecimento da manutenção regular e permanente adequada à conservação dos edifícios.

No caso de uma restauração ser indispensável em consequência de degradação ou destruição, é recomendado o respeito pela obra histórica e artística do passado, sem proscrever o estilo de nenhuma época.

A Conferência recomenda que se mantenha a ocupação dos monumentos que assegura a continuidade da sua sobrevivência devendo, no entanto, ser utilizados de modo a que se respeite o seu teor histórico ou artístico.

 

Nota: Tradução Ana Tavares. CELAM _ ULHT

Como citar
DE ATENAS, Carta. CARTA DE ATENAS. Cadernos de Sociomuseologia, [S.l.], v. 15, n. 15, june 2009. ISSN 1646-3714. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/332>. Acesso em: 14 oct. 2019.