Capítulo III - A FÚRIA (multimídias: TV Maré e Museu da Maré)

  • Victor Chagas Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Resumo

4. NO AR TV MARÉ

Isso tudo tá gravado

[Antônio Carlos Pinto Vieira e Marcelo Pinto Vieira, entrevistados em momentos distintos]

Está ali, diante de mim, uma caixa. Sem voz e sem imagem, ela permanece uma caixa. Até que eu a duplipenso[1]. No instante em que a caixa se ilumina, eu me ilumino com ela. Big brother is watching you, ela diria. No momento em que a assisto, ela me assiste. Não sei se ela me refrata ou se apenas reflito sobre ela. É um ritual que sigo dia após dia: a televisão é uma “magia a domicílio” [bordenave apud lima, 1995]. Mais do que entendê-la como um meio de comunicação, é preciso enxergá-la – em especial a tevê comunitária por seu raio de atuação local – como um meio de transporte. Os espectadores se transportam para dentro do tubo catódico, como a Alice de Lewis Carroll, que atravessa os espelhos como se fossem janelas. Na Inglaterra vitoriana, não existiam televisões. E no intervalo de cem anos até o megabloco controlado política e ideologicamente pelo Partido, conforme previsto por George Orwell em 1984, o mundo já era dominado por elas.


[1] Nas palavras de George Orwell, criador do termo em seu 1984, duplipensar significa “Saber e não saber, ter consciência de completa veracidade ao exprimir mentiras cuidadosamente arquitetadas, defender simultaneamente duas opiniões opostas, sabendo-as contraditórias e ainda assim acreditando em ambas; usar a lógica contra a lógica, repudiar a moralidade em nome da moralidade, crer na impossibilidade da Democracia e que o Partido era o guardião da Democracia; esquecer tudo quanto fosse necessário esquecer, trazê-lo à memória prontamente no momento preciso, e depois torná-lo a esquecer; e acima de tudo, aplicar o próprio processo ao processo. Essa era a sutileza derradeira: induzir conscientemente a inconsciência, e então, tornar-se inconsciente do ato de hipnose que se acabava de realizar. Até para compreender a palavra ‘duplipensar’ era necessário usar o duplipensar.”

Publicado
2012-02-27