Educação patrimonial e aprendizagens curriculares – a História

  • Alfredo Tinoco Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

O mundo contemporâneo, pós-industrial aparece-nos marcado por dois fenómenos que aparentemente são antagónicos: por um lado, a globalização/mundialização cultural que transporta consigo o medo da uniformização; por outro lado, um interesse cada vez maior e um público cada vez mais vasto para o património local, regional, nacional e, naturalmente estrangeiro.A própria noção de património é cada vez mais alargada (veja-se a este propósito o art.2° de Lei de Bases do Património, Lei n°107 de 8 de Setembro de 2001). Aí se refere como integrando o Património Cultural Português bens de interesse histórico, arqueológico e artístico, domínios que tradicionalmente integravam a noção de Património, mas igualmente, bens de interesse linguístico, documental, industrial, técnico, social, paleontológico, etnológico, etc.Se inicialmente "Património" eram os monumentos, os primores da arte, as antigualhas, os tesouros monárquicos ou eclesiais, de há décadas a esta parte o conceito ganhou nova extensão. Estamos pois, num mundo em que tudo é património. Todos continuamente afirmamos o pan-patriomonialismo.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

##plugins.generic.usageStats.noStats##
Publicado
Apr 3, 2012
Como citar
TINOCO, Alfredo. Educação patrimonial e aprendizagens curriculares – a História. Cadernos de Sociomuseologia, [S.l.], n. 42, apr. 2012. ISSN 1646-3714. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/2829>. Acesso em: 17 sep. 2019.

Leia mais artigos do mesmo autor(s)

1 2 > >>