INTRODUÇÃO

  • Manuelina Maria Duarte Cândido Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

Cabe, nesta introdução, apresentar um panorama do pensamento museológico internacional, que pretendemos basear nos documentos do Rio de Janeiro (1958)7; no de Santiago (1972), que formalizou a introdução do conceito de museu integral; no de Quebec (1984), ao qual coube a sistematização dos princípios da Nova Museologia; e no de Caracas (1992), que realizou uma avaliação crítica desse percurso, reafirmando o museu como canal de comunicação.

Este recorte privilegia documentos que constituíram três dos principais marcos do movimento da Nova Museologia – Cartas de Santiago, Quebec e Caracas – e o documento final do Seminário Regional da UNESCO sobre a Função Educativa dos Museus, do Rio de Janeiro, que inaugura uma linha de seminários regionais e a perspectiva de pensar a Museologia a partir de olhares não europeus. São documentos fundamentais para o entendimento da renovação no cenário museológico internacional e, notadamente, na América Latina, onde a maior parte deles tomou corpo.

Como Citar
Cândido, M. M. D. (1). INTRODUÇÃO. Cadernos De Sociomuseologia, 20(20). Obtido de https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/373