4. ANÁLISE DOS PRINCÍPIOS-CHAVE NOS MUSEUS SELECCIONADOS

  • Isabel Margarida Melo Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

Em si mesmos, os indicadores com os quais alimenta a sua reflexão são frequentemente banais e conhecidos de toda a gente. É antes a sua forma de os dispor e de os “compreender” (tomar em conjunto) que caracteriza o seu trabalho e lhe dá interesse. A compreensão que faculta não provém dos novos factos que revela, mas sim das novas relações que estabelece entre os factos e que dá a factos conhecidos um significado mais esclarecedor (Quivy e Campenhoudt, 2005: 84-85)

 

Como foi anteriormente referido, o exercício de auto-avaliação proposto tinha por eixos definidores quatro princípios-chave (Pessoas, Lugares, Parcerias e Politicas), relativamente aos quais importava apurar a adopção de boas práticas. Complementarmente, para que o diagnóstico da organização fosse de facto rigoroso era necessário verificar a existência de evidências dos resultados dos processos desenvolvidos.

Nas próximas páginas apresentaremos os dados saídos destes exercícios, apresentados segundo os quatro critérios.