Museu das Remoções da Vila Autódromo: Resistência criativa à construção da cidade neoliberal.

  • Diana Bogado

Resumo

O planejamento da cidade neoliberal que se consolida com a realização de megaeventos carrega dentre as suas implicações a redução do habitar ao habitat (Lefebvre, 2008). Levanta-se como hipótese neste trabalho que a proposta de sociedade que vem sendo modelada para residir na cidade neoliberal estrutura-se sobre o conceito do habitat. O empreendedorismo urbano (Harvey, 1996) é o fenômeno que sugere que a gestão da cidade se estabeleça nos moldes de uma gestão empresarial, alterando com isso, a condução da política urbana, que passa a submeter a reconfiguração territorial aos processos de valorização do capital de forma mais direta e acentuada. Destaca-se a dominação espacial, ferramenta necessária para adaptação do espaço à obtenção de lucro (Santos, 2011, Lefebvre 2001, Winnicott, 1975).  No contexto de preparação/realização dos megaeventos no Rio de Janeiro a prefeitura removeu aproximadamente 22.059 famílias, dentre as quais anunciava a comunidade Vila Autódromo, caso de estudo deste trabalho. A permanência da comunidade culminou na construção do Museu das Remoções, fruto da luta da população frente à destruição levada a cabo pelo poder público.
A aproximação da comunidade ocorreu através da observação participante (WHYTE,1943), ou da participação observante (WACQUANT, 2000). A autora deste trabalho é atora na pesquisa-ação (TRIPP, 2005) uma vez que é pesquisadora e ativista, tendo coordenado o projeto de extensão que construiu com a comunidade o Museu das Remoções.

Palavras-chave: Museu das Remoções, Remoções, Resistência, Vila Autódromo, Olimpíadas.

Publicado
2017-07-11
Como Citar
Bogado, D. (2017). Museu das Remoções da Vila Autódromo: Resistência criativa à construção da cidade neoliberal. Cadernos De Sociomuseologia, 54(10). https://doi.org/10.36572/csm.2017.vol.54.01