“Papéis sexuais” no acervo do Museu Paulista

  • Leonardo Vieira Museólogo (COREM 4R 341 II)

Resumo

O Museu Paulista estabeleceu sua política de acervo no ano de 1990, ao mesmo tempo em que fixou como linha de pesquisa da instituição os seguintes tópicos: I. Cotidiano e sociedade (papéis sexuais, idade e enculturação), II. Universo de trabalho (pré e proto-industrial) e III. Imaginário (os vetores materiais do sentido). Durante minha pesquisa de mestrado, após analisar aproximadamente 617 processos de aquisição de acervo, pude identificar que a instituição coleta um número considerável de objetos devido a seu interesse às questões de gênero. Entretanto, mesmo após 25 anos de atuação nesta área de estudos, o Museu Paulista continua considerando o conceito binário de gênero. Isso resulta na exclusão de referências à aspectos não-binários de gênero e de diversidade sexual na coleção museológica, bem como o afastamento da instituição de estudos contemporâneos acerca dos papéis de gênero e sexuais. Devemos pontuar que o Museu Paulista não é o único a desenvolver sua política institucional nestes moldes. No Brasil, pelo menos, Tony Boita e Jean Baptista já demonstraram que os museus mantêm-se, na sua grande maioria, afastados da discussão sobre gênero e diversidade sexual. Este constitui um dos principais motivos que justificam o levantamento desta discussão no cenário internacional, além do fato de que 'novas' identidades de gênero e sexualidade têm surgido de forma cada vez mais intensa no debate público.

Palavras-chave: Museologia; Diversidade sexual; Museus de história; Aquisição de acervo.

Publicado
2021-04-30
Como Citar
Vieira, L. (2021). “Papéis sexuais” no acervo do Museu Paulista. Cadernos De Sociomuseologia, 61(17), 149-169. https://doi.org/10.36572/csm.2021.vol.61.07