A autoridade científica da prova pericial na persecução penal

O laudo convence porque tem autoridade, ou só tem autoridade porque convence?

  • Murilo Strätz Universidade do Minho
Palavras-chave: prova científica, perícia, independência, valoração

Resumo

Trata-se de estudo acerca do papel, da autoridade e dos graus de autonomia e de persuasão racional que a prova científica ostenta na persecução penal, tanto na fase pré-processual (inquérito policial) quanto na ação penal propriamente dita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CALHEIROS, Maria Clara. Para uma teoria da prova. Coimbra: Coimbra Ed., 2015.

CARDOZO, Benjamin N. “The nature of the judicial process”. New Haven: Yale University Press, 1921.

COENDET, Thomas. Legal Reasoning: Arguments from Comparison. Archiv für Rechts - und Sozialphilosophie, 102, 2016/4, pp. 476–507.

EDMOND, Gary. “Science, Law and Narrative: Helping the ‘Facts’ to Speak for Themselves” (1999) 23 Southern Illinois University Law Review, pp. 555-583.

FAIGMAN, David L. “The tipping point in the law's use of science: the epidemic of scientific sophistication that began with DNA profiling and toxic torts”. HeinOnline - 67 Brook. L. Rev. 111 2001-2002, pp. 111-125.

_________________. “To Have and Have Not: Assessing the Value of Social Science to the Law as Science and Policy”. San Francisco: 38 Emory Law Journal, 1989, pp. 1005-1095, pp. 1017-1019. Disponível em https://repository.uchastings.edu /cgi/viewcontent.cgi?article=1139&context=faculty_scholarship Acesso em 20/10/2021.

FERRAZ Jr., Tercio Sampaio. A ciência do direito. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2014.

FRECKELTON, Ian. (1986). “Court experts, assessors and the public interest”. International Journal of Law and Psychiatry, Volume 2, Issue 2. New York: Elsevier Ltd., 1986, pp. 161–188. Disponível em https://doi.org/10.1016/0160-2527(86)90033-6 Acesso em 20/10/2021.

GLANERT, Simone. “Method?”. In Pier Giuseppe Monateri (Org.), Methods of Comparative Law, Elgar, Cheltenham, Northampton, 2012, pp. 61-81.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

NEVES, António Castanheira. Questão-de-facto - questão-de-direito ou o problema metodológico da juridicidade: ensaio de uma reposição crítica. Coimbra: Almedina, 1967.

Supreme Court of United States of America. Sítio eletrônico. Disponível em https://supreme.justia.com/cases/federal/us/509/579/case.pdf. Acesso em 20/10/2021.

TARUFFO, Michele. A prova. São Paulo: Marcial Pons, 2014.

TWINNING, Willian. “Evidence as a multi-disciplinary subject” In Law Probability and Risk (2003) 2. Oxford: Oxford University Press, 2003, pp. 91-107.

VAN HOECKE, Mark. “Methodology of comparative legal research”. In Law and Method. London: Queen Mary University Press, 2015.

WALT, Lirieka Meintjes-Van Der. “Decision-makers' Dilemma: Evaluating Expert Evidence”. HeinOnline - 13 S. Afr. J. Crim. Just. 315, 2000, pp. 319-343.

ZWEIGERT, Konrad; KÖTZ, Hein. An Introduction to Comparative Law. 3rd ed. Translated by Tony Weir. Oxford: Oxford University Press, 1996.
Publicado
2022-01-31
Como Citar
Murilo Strätz. 2022. «A Autoridade científica Da Prova Pericial Na persecução Penal: O Laudo Convence Porque Tem Autoridade, Ou Só Tem Autoridade Porque Convence?». De Legibus - Revista De Direito Da Universidade Lusófona Lisboa, n. 2 (Janeiro), 19. https://doi.org/10.53456/dlb.vi2.7950.