XVII Jornadas sobre a função social do museu. S. Brás de Alportel - 2006

  • Alfredo Tinoco Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

A palavra que mais vezes ouvi durante estes três dias que duraram as nossas XVII Jornadas sobre a Função Social do Museu foi a palavra UTOPIA. Ainda bem! Tenho para mim que é isso mesmo o que é próprio da Museologia. UTOPIA, o UTOPOS, o não lugar, o lugar que ainda não existe é o específico do nosso trabalho de museólogos.O nosso trabalho é exactamente caminhar por esse lugar que não sabemos onde fica. Por caminhos que não conhecemos: ora a estrada larga, ora o caminho pedregoso, empinado ou vertiginosamente descendente (como a calçadinha de S. Brás); muitas vezes nos perdemos e foi necessário voltar atrás e recomeçar. Algumas vezes o desânimo tomou conta dos caminhantes mas logo outros se nos juntaram e trouxeram ânimo novo e continuámos estrada fora. E cá vamos. Descobrindo o caminho para o lugar que “ainda não existe”.Ocorre-me aqui Antonio Machado:“Caminante no hay caminoSe hace camino al andar”.E cá vamos perseguindo a UTOPIA.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

##plugins.generic.usageStats.noStats##
Publicado
Apr 3, 2012
Como citar
TINOCO, Alfredo. XVII Jornadas sobre a função social do museu. S. Brás de Alportel - 2006. Cadernos de Sociomuseologia, [S.l.], n. 42, apr. 2012. ISSN 1646-3714. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/2837>. Acesso em: 25 aug. 2019.

Leia mais artigos do mesmo autor(s)

1 2 > >>