Um Percurso Exploratório no Museu Nacional do Traje 1983-2008 Contributos para a Sociomuseologia

  • Madalena Braz Teixeira Departamento de Museologia -ULHT

Resumo

Madalena Braz Teixeira

Departamento de Museologia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Tese de Doutoramento PhD (2019)

 

Resumo

Este trabalho dá uma perspetiva histórica sobre a evolução do Museu Nacional do Traje - Parque do Monteiro-Mór, desde a sua criação em Dezembro de 1976 até ao presente. As fundamentais balizas cronológicas deste estudo situam-se entre a inauguração do museu, ocorrida em 26 de Julho de 1977 e a minha aposentação que aconteceu em 19 de Abril de 2008. A existência do Parque do Monteiro-Mór, como parte integrante do território abrangido pela tutela do Museu Nacional do Traje, representa um elemento estrutural ao entendimento da abrangência disciplinar desta instituição museal que corresponde a uma Quinta de Recreio setecentista. Neste sentido, foi considerado basilar refletir sobre esta dupla situação de que decorre a unidade e a duplicidade de funções, senão mesmo a pluralidade, de que o Parque do Monteiro-Mór, no seu todo, pode e deve desenvolver. A atividade desta instituição aqui analisada, foi conduzida por três direções, das quais assumi a última, entre 1983 e 2008. Debruçando-me sobre o período de vinte cinco anos em que dirigi este museu, procedi a uma apresentação desta instituição, à caracterização da mesma, bem como à problematização do seu programa expositivo. Defendo que o modelo de análise por mim aplicado no estudo aprofundado das duzentas e sessenta e uma exposições realizadas no museu permite concluir que o eixo fundamental desta programação reflete, desde o início, uma orientação vincadamente centrada no âmbito da função exposição, bem como numa perspectiva da Museologia Social. Ao somar àquelas mostras, as duzentas e vinte e cinco exposições extramuros, apresentadas em Portugal continental, na Madeira e nos Açores e ainda, as dezoito mostras levadas ao estrangeiro, atende-se um total de quinhentas e quatro mostras, esta realidade ilustra bem a dominância daquela função museológica e a difusão global da ação do Museu Nacional do Traje. Por outro lado, a longa prática e a reflexão agora desenvolvida sobre o trabalho realizado conduziu-me à elaboração de uma proposta de Museologia Social, a aplicar no alargado território do Paço do Lumiar. Esta proposta desenvolve-se sobre a ideia do Paço do Lumiar como um Polo Cultural de Lisboa. Este conceito é aqui entendido como transbordante das instituições museológicas ali existentes, funcionando como aglutinador da plural vizinhança de diferenciadas organizações, tanto públicas como privadas. Procura-se deste modo, acentuar a memória e a identidade refletidas na sobrevivência deste topónimo plurissecular, de origem medieval, ainda hoje agregador do tecido social do Paço do Lumiar enquanto realidade urbana da mais antiga freguesia de Lisboa.

 

Palavras chave: Museu, Museologia, Nova Museologia, Sociomuseologia, Exposição,

Publicado
2020-06-03
Como Citar
Braz Teixeira, M. (2020). Um Percurso Exploratório no Museu Nacional do Traje 1983-2008 Contributos para a Sociomuseologia . Cadernos De Sociomuseologia, 59(15). Obtido de https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/7111
Secção
Teses & Dissertações concluídas no Departamento de de Museologia-ULHT