DATA AND ARTIFICIAL INTELLIGENCE FOR BETTER AND INTELLIGENT REGULATION

  • Manuel Cabugueira Universidade Lusófona

Resumo

Neste artigo apresentamos uma reflexão sobre como a tecnologia de dados e a inteligência artificial podem melhorar a implementação de uma regulamentação baseada em provas, orientada por dados.
Começamos por argumentar a favor de uma abordagem da regulamentação baseada em provas, o que significa que a elaboração de políticas deve ser apoiada por informações sobre os impactos esperados e observados. Alcançamos esta posição reconhecendo que, por um lado, os mercados falham e a intervenção pública irá promover o bem-estar social e a competitividade económica mas, por outro lado, a regulamentação também não consegue criar custos de implementação e conformidade. Segue-se que a intervenção pública tem de ser apoiada por uma demonstração de que os benefícios serão superiores aos custos.
Neste documento, discutimos os desafios apresentados por esta regulamentação baseada em provas e como as novas ferramentas das tecnologias de dados e inteligência artificial podem fornecer novos recursos para enfrentar essas dificuldades. Concluímos que existe uma correspondência óbvia entre as soluções que estas novas tecnologias apresentam e os requisitos para "regular melhor" e para "regular melhor". No final, parece natural que a regulamentação com base em provas também deva ser orientada para os dados.
Palavras-chave: Regulamentação; Inteligência Artificial; Melhor Regulamentação; regulamentação baseada em provas, regulamentação baseada em dados

 

DOI: https://doi.org/10.46294/ulplr-rdulp.v14i1.7469

 

Biografia Autor

Manuel Cabugueira, Universidade Lusófona

Professor at the School of Economic Sciences and Organizations at the Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, researcher of the Legimpact project and collaborator of CIDEEFF.

Publicado
2021-02-08
Secção
Contribuições de autores convidados