PARTE IV -COMO É QUE OS MUSEUS SE PENSAM A SI PRÓPRIOS EM TERMOS DE QUALIDADE

  • Isabel Victor Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Resumo

Capítulo 1

1. Como define o icom as boas práticas dos museus e dos museólogos

2. A proposta de lei- quadro dos museus portugueses

2.1. Uma visão anquilosada de qualificação

2.2. A credenciação / exclusão

2.3. A legitimação da “meritocracia”

Capítulo 2

1. O sentido comum da qualidade em museus

1.1. A percepção do cidadão – cliente

1.1.1. Categorias:

1.1.2. Atributos da qualidade em museus

1.1.3. A qualidade em museus-representação gráfica

1.2. A população inquirida

1.2.1. Grelha, resumo

 

Resumo: Ao nível do discurso institucional e institucionalizante produzido pelas instâncias que tutelam e/ou que agregam os museus e museólogos, com o propósito declarado de legitimar e instaurar as normas e as boas práticas museológicas, evidenciam-se o ICOM a nível internacional e o IPM, a nível nacional, através da estrutura RPM, legalmente consignada na proposta da Lei-Quadro dos museus portugueses actualmente em discussão.

Assim passaremos a analisar o que referem as referidas instâncias;

Começando pelo ICOM este aprovou, em 1986, um código deontológico, actualizado em 2001, que vigora e procura ser, conforme se refere na introdução do documento, um meio de autoregulação profissional que incide na gestão dos museus e das colecções com o fim de instituir normas e condutas pessoais e profissionais que garantam as boas práticas museológicas tendo como referência a definição de museu que consta dos estatutos do Conselho Internacional dos Museus. A adesão ao ICOM pressupõe naturalmente a aceitação destas normas. O referido conselho anuncia para 2004, um código mais completo que, para além das normas e princípios, determine as directivas a cumprir.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

##plugins.generic.usageStats.noStats##
Como citar
VICTOR, Isabel. PARTE IV -COMO É QUE OS MUSEUS SE PENSAM A SI PRÓPRIOS EM TERMOS DE QUALIDADE. Cadernos de Sociomuseologia, [S.l.], v. 23, n. 23, june 2009. ISSN 1646-3714. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/402>. Acesso em: 17 aug. 2019.

Leia mais artigos do mesmo autor(s)

1 2 > >>