A Administração Escolar: racionalidade ou racionalidades?

  • Maria João de Carvalho Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Resumo

Os pressupostos a que se encontra vinculada a administração escolar, a mes- ma adoptada pela administração empresarial, constitui-se como factor decisivo para a situação de crise de racionalidade, de motivação e de legitimidade em que aquela se encontra. A produtividade e a eficiência, pressupostos que a racionalidade instrumental integra, não tem permitido que os actores educativos se constituam enquanto sujeitos democráticos e, por isso, tem impedido que se convertam em sujeitos de acção. As práticas dos directores escolares e as condições a que estão sujeitos parecem não favorecer o aparecimento de uma racionalidade democrática e emancipatória. Torna-se, por isso, necessário a emergência de uma racionalidade enformada pela crítica, pelo diálogo intersubjectivo e que reconheça, tanto a importância dos meios como dos fins na tentativa de perscrutarmos a verdade de que ambos os elementos se revestem.

Palavras-chave: administração escolar; crise; racionalidade instrumental; racionalidade democrática.

##plugins.generic.usageStats.downloads##

##plugins.generic.usageStats.noStats##
Publicado
Apr 18, 2014
Como citar
CARVALHO, Maria João de. A Administração Escolar: racionalidade ou racionalidades?. Revista Lusófona de Educação, [S.l.], v. 25, n. 25, apr. 2014. ISSN 1646-401X. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/4388>. Acesso em: 21 july 2019.