Dossiê temático: Os futuros da educação: aprendendo a solidarizar-se

2020-06-29

Editor Convidado: Celio da Cunha -  Professor da Universidade Católica de Brasília. Professor aposentado da Universidade de Brasília e ex-assessor da UNESCO no Brasil. Leitor da Unesco na Cátedra de Juventude, Educação e Sociedade. 

Cada artigo para o dossiê temático deverá ser enviado para:  futurosdaeducacao@gmail.com

 

Justificação: A criação pela Unesco de um grupo integrado por 15 especialistas em educação de diversos continentes e culturas para elaborar o 3º Relatório Mundial da Educação, configura-se como uma oportunidade ímpar para repensar o lugar da educação num mundo de  cenários complexos e eventos desconcertantes sem precedência na história humana. Os dois primeiros relatórios da Unesco, respectivamente Aprender a Ser, coordenado por Edgar Faure na década de 1970 e Educação, um tesouro a descobrir, coordenado por Jacques Delors na década de 1990 do século passado, desempenharam papel relevante nas políticas de educação,  em escala mundial. Espera-se que o 3º Relatório, diante dos desafios existentes, consideravelmente ampliados pela crise pandêmica, possa não somente seguir a robustez dos dois primeiros, como ainda projetar-se e inserir-se como portador de reflexões e encaminhamentos que se tornaram imperativos para as políticas educacionais de todas as nações.

Termo de referência: O dossiê deve incluir artigos que examinem “a educação e a aprendizagem num mundo em que a complexidade, a incerteza e a precariedade são cada vez maiores. Estes desafios complexos requerem soluções inovadoras e interdisciplinares”(UNESCO, 2020). Entre os desafios sobressaem a construção de sociedades mais humanistas e solidárias, como sobressai, por conseguinte, a necessidade de políticas de educação que valorizem a dimensão humanista da existência em todas as instâncias da gestão educacional, das escolas às Secretarias e Ministérios da Educação, como ainda das instâncias decisórias dos Poderes Legislativo e Judiciário, pois os avanços só são possíveis numa visão sistêmica do desenvolvimento. Segundo a Unesco, o conceito de aprender a tornar-se aponta para uma filosofia da educação e uma pedagogia que considera a aprendizagem como desenvolvimento contínuo ao longo da vida. Em termos de “devir” significa priorizar uma linha de pensamento que valoriza o potencial humano, rejeita o determinismo e expressa abertura  ao novo, ao diferente e aos direitos fundamentais das pessoas. Também significa a necessidade de desenvolver a capacidade de projetar e lutar para uma vida mais digna. Para os que vivem em condições de pobreza, exclusão e violências físicas e simbólicas, o futuro se apresenta nebuloso e sem esperança. Quando a aspiração humana é impedida de realizar-se, as pessoas sofrem e as múltiplas desigualdades atingem o interior das pessoas. As mudanças climáticas crescentemente ameaçadoras, as múltiplas desigualdades, extremismos e discriminações persistentes como as que estamos presenciando hoje, demandam uma nova ética do desenvolvimento social e econômico. É necessário  crença no poder das ideias e da educação que pode ser ampliado com os recursos proporcionados pelos avanços das ciências da informação e da comunicação. É sempre importante que os textos contextualizem os obstáculos e dificuldades e apontem rumos e nortes. E examinem as possibilidades de uma pedagogia mais humana e solidária. Quem sabe, lance ideias para uma nova Paideia.

Eixos temáticos 

  1. O futuro da educação: igualdades e diferenças
  2. A educação na pós-pandemia: a inclusão e os desafios do Humanismo
  3. Aprendizagens  em cenários de múltiplas pandemias
  4. A educação e a sociedade digital: a dialética  ensino presencial/remoto
  5. Educação e sociedades sustentáveis

Idiomas 

português, francês, espanhol e inglês. 

 

Prazos de envio  

  • Datas de submissão – Até  31 de dezembro de 2020 
  • Datas de avaliação – Até  15 de março de 2021 
  • Datas de publicação –2021

 

Os(as) autores(as) deverão apresentar uma proposta entre um mínimo de 30.000 e um máximo de 40.000 caracteres (com espaços, incluindo resumos nos 4 idiomas (português, inglês, espanhol e francês), gráficos, quadros, imagens, notas de fim de texto e referências bibliográficas. Estas não devem exceder 25.  

 

Todos os trabalhos serão submetidos à apreciação da Comissão Editorial da revista e sujeitos a “revisão cega”. No entanto, os organizadores reservam-se o direito de tomar as decisões finais quanto à publicação. 

 

Ler as regras de submissão aqui.

 

Cada artigo do dossiê temático deverá ser enviado para: futurosdaeducacao@gmail.com

Dos artigos recebidos serão seleccionados 7 para o dossiê.