Chamada (call) à publicação de artigos em dossier temático na Revista Lusófona de Educação (RLE) no âmbito da produção científica de muSEAum - Branding os Museus de Mar de Portugal, projeto de investigação e inovação financiado pela FCT

2022-01-03
O muSEAum: Água, Fogo, Terra, Ar

Editores: Isabel Duarte, Nuno Cintra Torres, Célia Quico, Rita Grácio, Rute Muchacho, Eduardo Sarmento (CICANT - Centro de Investigação em Comunicação Aplicada, Cultura e Novas Tecnologias, Universidade Lusófona de Lisboa, Portugal). 

Chamada (call)

muSEAum - Branding os Museus de Mar de Portugal é um projeto de investigação e inovação financiado pela FCT com a duração de três anos (PTDT / EGE-OGE / 29755/2017) desenvolvido por CICANT, uma unidade de investigação da Universidade Lusófona de Lisboa.

O projeto criou a rede muSEAum com cerca de 70 museus do mar -- museus com uma relação direta ou indireta com o mar. Foram produzidos dois livros (PDFs disponíveis em www.muSEAum.pt). Realizaram-se duas séries de webinars e workshops online com a participação de museus de mar. Foram publicados artigos em revistas científicas nacionais e internacionais, alguns revistos ​​por pares. Investigadores participaram em congressos nacionais e internacionais. Duas grandes conferências foram organizadas. Protótipos e modelos interativos foram desenvolvidos e implantados. Após um interregno devido às restrições da Covid 19, a terceira conferência muSEAum terá lugar em abril de 2022.

muSEAum tem o gosto de convidar investigadores, académicos, profissionais de museus, especialistas de instituições públicas e outras partes interessadas a apresentar artigos para serem publicados em um dossier temático intitulado “O muSEAum: Água, Fogo, Terra, Ar” incluído em edição da Revista Lusófona de Educação (RLE). Os artigos aceites para publicação farão parte da produção científica do projeto.

Contexto

Os museus são as suas coleções, edifícios, localização, acessibilidades, implantação na paisagem, comunidade, profissionais, recursos, reputação, públicos. Os museus devem promover a criação de "comunidades paisagísticas" conscientes da sua identidade, envolvidas na sua preservação, participando no seu desenvolvimento sustentável (Carta de Siena ICOM Itália 2014). Os museus inspiram aprendizagens poderosas e contribuem para a construção de identidades em crianças, jovens e comunidades. O investimento em artes e cultura pode gerar melhorias na qualidade do meio ambiente local e no padrão de vida das comunidades locais. Os museus regionais e locais promovem a participação local, identidade e o património comum. Os museus têm impactos positivos na economia, abrangendo áreas como turismo, competências, melhorias da produtividade e atuam como catalisadores para a regeneração económica. A importância da orientação do branding e marketing em museus é hoje reconhecida como uma disciplina de gestão de grande importância. No entanto, muitos museus europeus de pequena e média dimensão precisam melhorar a gestão da sua marca. Periferia, instabilidade de gestão, escassez de recursos financeiros, marketing e capacidades tecnológicas são alguns dos grandes desafios que se colocam aos museus localizados longe dos grandes centros urbanos. Outras limitações são a escassez de estudos de audiências; as redes sociais não são utilizadas em todo o seu potencial; parcerias locais poderiam ajudar mais; falta o uso da língua inglesa; o merchandising é raro; apenas uma pequena percentagem do orçamento é alocada para comunicações e publicidade; experiências únicas de visitante como conceito de marca precisam ser desenvolvidas; branding o museu é uma atividade irregular; o marketing digital é rudimentar. Outras áreas para desenvolvimento são a abordagem centrada no visitante; projetar roteiros de visita; posicionar o museu no mercado cultural e turístico; segmentar e definir públicos-alvo; comunicar a mensagem da marca em uma seleção de plataformas. Em alguns países, a autonomia financeira é restringida por legislação nacional que dificulta a iniciativa e a busca proativa de fontes de financiamento alternativas à das instituições do Estado e regionais. A pandemia Covid-19 causou grandes dificuldades aos museus, mas muitos reagiram com soluções inovadoras, muitas de base digital, fornecendo lições valiosas para os tempos pós-pandémicos. 

Tópicos

  1. muSEAum: Repositório etnográfico, arqueológico, de artes? Fórum de património (heritage), social, cultural e de construção de identidade? Ativo para a construção de marca de lugar (place branding)?
  2. Branding: Os museus de pequena e média dimensão podem competir num mundo repleto de marcas?
  3. Trabalho em rede e parceria: Um fardo ou um dever?
  4. Capacidades e tecnologias digitais em tempos pós-pandémicos: O que há de novo?
  5. Melhores práticas: As práticas de grandes museus são aplicáveis ​​a museus de pequena e média dimensão?
  6. Financiamento: Como podem os museus melhorar os seus recursos financeiros nos limites impostos pelo atual quadro jurídico?

 

Email para submissões

museaum@ulusofona.pt

 

Calendário

Envio: 31 de março de 2022

Avaliação: 30 de abril de 2022

Notificação do autor: 15 de maio de 2022

Publicação: Segundo semestre de 2022

 

Regras de envio de RLE

Os artigos são aceites em português, inglês, francês ou castelhano. Máxima dimensão: 40.000 caracteres com espaços, incluindo o resumo com 1.500 caracteres em cada um dos quatro idiomas. Figuras, tabelas (jpeg), imagens (jpeg) não devem exceder 25 páginas. Veja também revistas.ulusofona.pt/submissions