As universidades públicas portuguesas e a capacitação na área da Educação em Ciências no âmbito da cooperação internacional para o desenvolvimento: do mapeamento à problematização

Resumo

Neste artigo identifica-se e problematiza-se o contributo que as universidades públicas portuguesas (UPP) têm dado no domínio da capacitação, na área das Ciências, na qualidade de agentes de cooperação para o desenvolvimento, nomeadamente através de protocolos estabelecidos com os seis países de Língua Portuguesa da região de África, Caraíbas e Pacífico (ACP). Metodologicamente a investigação identifica-se como estudo misto sequencial. A primeira fase do estudo consistiu no levantamento de 189 protocolos (2000-2015) e respetiva categorização, a partir da análise da informação disponível nas páginas oficiais das UPP. Na segunda fase da investigação, assente na metodologia de estudo de caso, identificam-se e discutem-se as principais fragilidades e ameaças referidas por um conjunto de 17 profissionais universitários de uma UPP no âmbito de dois protocolos de cooperação (cluster). Os testemunhos foram recolhidos através de inquérito por entrevista individual semiestruturada. Os resultados apontam, por um lado, para um papel de relevo das UPP no domínio da Educação em Ciências, em particular na formação de professores. Por outro, é consolidada a perceção da importância de investir em estratégias de formação na área da cooperação internacional para o desenvolvimento (CID) dirigida a profissionais universitários e, ainda, em estratégias de disseminação do trabalho desenvolvido, no sentido de potenciar a qualidade e o impacto de protocolos futuros.

Palavras-chave: cooperação portuguesa para o desenvolvimento; países de Língua Portuguesa; região de África, Caraíbas e Pacífico (ACP); capacitação em Ciências; universidades públicas.

Publicado
2020-06-25