Por um projeto insurgente e resistente de decolonialidade da universidade latino-americana

Resumo

O presente texto tem por objetivo fazer uma reflexão e análise sobre as implicações da colonização na destruição das culturas dos povos originários da América Latina pela imposição de um modelo de racionalidade e epistemológico de caráter eurocêntrico. O processo de colonização gerou a colonialidade, conceito mais abrangente e mais profundo do que o de colonização. Colonialidade do poder, das mentes, do conhecimento, do gênero, da sexualidade. Construídas no âmbito e por influência da cultura europeia, as instituições de educação superior, vêm reproduzindo os modelos de racionalidade de herança europeia, primeiro e, posteriormente, também norte-americana. A proposta de decolonialidade e sua relação com o conceito e prática da interculturalidade crítica, constitui uma opção política com implicações pedagógicas, epistemológicas e ontológicas.

Palavras-chave: colonização; colonialidade; educação superior; interculturalidade crítica; decolonialidade.

Biografia Autor

Manuel Tavares, Universidade Nove de Julho (UNINOVE)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) na linha de pesquisa Políticas de Educação

As suas pesquisas centram-se nas epistemologias contra-hegemônicas, pos-colonialismo e interculturalidade

Publicado
2020-11-03