RLE - Call for papers | IDENTIDADE E DESAFIOS DA EDUCAÇÃO SOCIAL

2022-03-16

Editores/as convidados:

Alejandra Montané, Judith Muñoz-Saavedra & Carlos Sánchez-Valverde

Universidade de Barcelona

Nota de Apresentação

As instituições que constituem o sistema educativo formal configuram um mapa educativo básico, mas não o único, onde a educação acontece e é produzida. O papel da Educação Social tem sido colocado nas margens educacionais, configurando um extenso e intenso campo disciplinar e desenvolvimento profissional. A Educação Social, inicialmente ligada à Pedagogia Social e ao Trabalho Social, tem vindo a desenvolver, em todos os contextos territoriais, funções que lhe têm conferido uma entidade e identidade, sustentada e projectada na acção sócio-educativa e sustentada pela compreensão dos direitos humanos, diversidade, vulnerabilidade, cidadania e justiça social, entre outros elementos. Já desde antes da viragem do século, que associações profissionais nacionais e internacionais (como a Associação Internacional de Educadores Sociais, AIEJI) têm vindo a desenvolver encontros e debates sobre a natureza da profissão e a acção sócio-educativa que a identifica. Contudo, é urgente redescobrir novos significados e abrir novos debates após este longo período de pandemia durante o qual, socialmente, estão a ocorrer mudanças e estão a surgir novas vulnerabilidades. No meio da crise do Estado Providência, a Educação Social configura-se como um direito e visa a qualidade de vida das pessoas, baseada no respeito e na alteridade, do ponto de vista social, comunitário e político. Do mesmo modo, a figura do/a educador/a social requer uma atenção especial para analisar a situação e o contexto da pressão institucional em que ele ou ela desempenha as suas funções profissionais.

Num cenário marcado pela incerteza, a crise eco-social global e a escalada da guerra, este dossier temático pretende abordar a identidade e os principais desafios da Educação Social, reconhecendo as múltiplas contribuições que a profissão deu e pode dar para analisar, compreender e transformar a realidade e as suas enormes desigualdades. O objectivo é proporcionar um espaço de reflexão e um encontro disciplinar e interdisciplinar que reúna conhecimentos, aprendizagens e experiência acumulada, colocando em diálogo os aspetos teóricos e empíricos que acompanham o trabalho sócio-educativo. É também um convite à reflexão sobre as implicações epistémicas, teóricas, éticas e políticas da profissão e um espaço para a construção do conhecimento que reforça a figura do educador social como actor-chave para enfrentar os desafios actuais e emergentes da nossa sociedade.     

Artigos teóricos e empíricos, estudos de caso e estudos comparativos são bem-vindos. Serão também aceites entrevistas e resenhas de livros publicados sobre o tema, centrados nos seguintes temas:

  1. Educação Social: profissão ou militância?
  2. Identidades da Educação Social: a relação com a educação especializada, animação sócio-cultural, educação de adultos, educação popular, etc.
  3. Educação Social / Pedagogia Social / Trabalho Social: nomenclaturas, epistemologias, espaços partilhados
  4. Perspectivas internacionais de Educação Social: mapeamento de oportunidades
  5. Campos profissionais da Educação Social: lugares e ligações
  6. Inserção da Educação Social no ambiente educativo/escolar: a oportunidade da escola
  7. A Educação Social como uma atitude de Justiça Social: direitos e cidadania
  8. A pandemia de Covid19: oportunidades e desafios
  9. Educação Social, feminismos, género e interseccionalidades
  10. Educação Social no quadro da Agenda 2030 e dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS)

 

São aceites propostas de diferentes países em português, espanhol, inglês e francês.

Email para a submissão de propostas para este dossier e consultas:
edusociallusofona@gmail.com

 

Datas:

Submissao de artigos: até 30 de Outubro 2022

Notificação dos autores: até Janeiro 2023

Publicação prevista: 1º semestre 2023

 

Regras de apresentação de RLE

As propostas podem ser submetidas em português, inglês, francês ou espanhol. Nº de caracteres: entre 30000 e 40000 caracteres com espaços, incluindo resumo com 1.500 caracteres em cada uma das quatro línguas. Figuras, tabelas (jpeg), imagens (jpeg). Ver também https://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/about/submissions#authorGuidelines